26 de out de 2015

OLHA AI JUVENTUDE BRASILEIRA, O SERRA DO PSDB E O DEMO SEMPRE FORAM CONTRA NÓS POBRES CHEGARMOS NA UNIVERSIDADE.

ENEM: 31 milhões cospem no Cerra


O ENEM é a banda larga de acesso do pobre à universidade. Por isso a elite paulista é contra
bessinha cerra gladiador da chevron
7,7 milhões de jovens brasileiros e suas famílias, ou seja, 31 milhões de brasileiros participam nesse fim de semana de um exame de acesso à universidade como não tem mundo.

O ENEM é a banda larga de acesso do pobre à universidade.

E, por isso, o Padim Pade Cerra, quando governador (?) de São Paulo, boicotou o ENEM e, com a ajuda da gráfica da Fel-lha - que fraudou as provas, ao imprimi-las – tentou provocar seu aborto e morte.

Cerra não deixou o ENEM entrar em São Paulo, nas universidades – como a USP – que conseguia controlar.

E o ENEM é uma das melhores obras do grande Ministro da Educação Fernando Haddad.

E como o destino é implacável com os emissários da TREVA, Haddad derrotou Cerra na campanha para a prefeitura de São Paulo, em 2012, o que trancou a sua carreira política de forma irremediável.

Alckmin, o Geraldinho Cantareira, dá ao Cerra a quantidade de oxigênio que lhe convém.

Porque, ao longo de sessenta anos de vida publica, o Cerra nunca teve uma ideia original.

Como essa, de tentar impedir que o pobre chegue à universidade.

É o que a elite paulista – a pior do Brasil, segundo o Mino Carta – o que a elite paulista sempre quis fazer, desde que o café se tornou o principal produto de exportação do Brasil.

E a USP nada mais é do que isso: a tentativa de elitizar, fechar, embranquecer o acesso à Universidade.

O ENEM do Haddad – esse que entubou as fanhas da CBN - tem uma virtude adicional.

O jovem do Acre, sem sair de casa, pode entrar numa universidade em Santa Maria, no Rio Grande do Sul.

E a jovem de Itajaí, Santa Catarina, sem sair de casa, pode entrar na Universidade Federal Rural do Semi-Árido-UFERSA, em Mossoró, Rio Grande do Norte, criação do Lula.

Nordestino “bovino”, segundo o colonista da Globo, sem dedo, que não sabe falar inglês – para desespero do Otavim, que também não sabe… - que construiu 14 universidades federais, enquanto nenhuma construiu o Príncipe da Privataria, que, nessa idade, se deu a exercícios de auto-satisfação.

O ENEM brasileiriza o Brasil!

O ENEM muda o Brasil de lugar.

O ENEM mostra aos jovens brasileiros o tamanho do Brasil.

E, a depender da elite paulista, o Brasil começa e acaba em São Paulo…

(O interessante é que esse bravo defensor dos interesses mais mesquinhos da plutocracia brasileira, o Padim Pade Cerra, é filho de imigrante, feirante na Moóca. E seu patrono, outro devotado defensor dos interesses da elite, o Príncipe, é filho de um funcionário público, um general. A elite é esperta. Não se dá ao ridículo. Terceiriza.)

No Brasil arcaico, só quem conhecia o Brasil era o militar.

Porque se deslocava pelo Brasil afora, hoje na Amazônia, amanhã em Resende, Cascavel.

Agora, no Brasil do Lula e do Haddad, os jovens saem por aí.

Com suas famílias.

E todos, num uníssono, desejam ao Cerra os melhores votos!

Paulo Henrique Amorim

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
 
Voltar para o topo